Acceda a las normas para lanzar su libro en la XIII RAM.

PLAZO DE ENVÍO CERRADO – 12 DE ABRIL DE 2019 

• Después de la aprobación de la propuesta de lanzamiento, habrá un cobro de R$ 50,00 (cincuenta reales) por lanzamiento para subvencionar los costes con la estructura en el local.
• Los lanzamientos se realizarán durante los días 23, 24 y 25 de julio de 2019;
• La venta de ejemplares de la obra lanzada podrá ser realizada directamente por el/la autor/a durante el día del lanzamiento o por la librería que estará en la RAM durante todo el evento;
• El/La autor/a deberá responsabilizarse por el transporte de las obras hasta el lugar del lanzamiento, por la venta de los ejemplares, así como por la recogida de los libros después de la sesión de autógrafos;
• La organización del evento no se responsabiliza por daños eventuales (extravíos, robos, etc.), así como por el transporte o venta del material;
• Para realizar la inscripción de la obra en el Lanzamiento de Libros, es necesario que el/la autor/a esté inscrito/a en la Reunión y con la inscripción pagada.

Lista de libros aprobados

Batalha de Confete: envelhecimento, condutas homossexuais e regimes de visibilidade no Pantanal-MS

Autoria: Guilherme Passamani
Editoral: Papéis Selvagens Edições
ResumenEsta obra reúne uma pesquisa etnográfica realizada entre 2012 e 2015 na região do pantanal de Mato Grosso do Sul com pessoas LGBT entre 52 e 82 anos atentando para as questões que envolvem envelhecimento, condutas homossexuais e regimes de visibilidade em uma região não caracterizada como um grande centro urbano e distante das metrópoles nacionais.

Cidade e Sociologia: autores, conceitos e abordagens

Autoria: Marcelo da Silva Araujo
Editoral:  Appris
ResumenCIDADE E SOCIOLOGIA apresenta ideias e proposições de autores clássicos e contemporâneos acerca dos problemas urbanos. A obra efetua um recorte que parte das nuances que o ambiente urbano impõe à vida social, por meio da abordagem de temas como poder, política, criminalidade, segregação, desigualdade e movimentos sociais. O autor apresenta a cidade como o local do exercício crítico sobre a cidadania e propõe atividades didáticas de acordo com os temas desenvolvidos em cada capítulo. Oferece, ainda, dicas de conteúdo dirigido artístico e audiovisual, além de uma bibliografia de referência. Por seu teor abrangente, o livro apresenta-se como um interessante material de pesquisa para estudantes de áreas que explorem a Sociologia, seja em nível médio ou superior.

Circuito Alameda

Autoria: Gilbertto Prado e Jorge La Ferla
Editoral: Instituto Nacional de Bellas Artes | Laboratorio Arte Alameda, México
ResumenO livro Circuito Alameda é fruto da exposição individual de Gilbertto Prado e do Grupo Poéticas Digitais realizada no Laboratório Arte Alameda, México. A mostra foi realizada entre junho e agosto de 2018, com a curadoria de Jorge La Ferla. A exibição contou com novas obras site specific criadas para o LAA (antigo convento de San Diego, sec. XVI) em diálogo com outros trabalhos pessoais do artista e com o Grupo em 5 salas distintas. A ideia foi a de estabelecer diversos circuitos com/entre o visitante, o espaço, em relação com as obras, os processos de colonização, os choques culturais e a praça Central Alameda. No livro, além dos textos do artista e do curador, contribuem Tania Aedo, Priscila Arantes, Christine Mello, Arlindo Machado, Marcos Cuzziol e Nara Cristina Santos.

Descontrolada: Uma etnografia dos problemas de pressão

Autoria: Soraya Fleischer
Editoral: Editora da UFSCar
ResumenO livro reúne a pesquisa de 8 anos realizada na cidade de Ceilândia/DF sobre como a «hipertensão arterial» é vivida pelos pioneiros e primeiros moradores da região. A etnografia vai explorar os sentidos sobre a vida cotidiana, a vida doméstica e conjugal, a vida do bairro na relação com o que é mais conhecido como «»problemas de pressão»». Famílias, casas, grupos de oração, ginástica e forro, bairro, centro de saúde são espaços onde a equipe de pesquisadoras conheceu para entender as delicadezas de, todo dia, tentar controlar a pressão e manter o bem-estar. Aqui, um livro que pleiteia a possibilidade de antropologia e saúde dialogarem proximamente.

Diálogos con la Antropología Latinoamericana

Autoria: Pablo Gatti Ballestero y Lydia de Souza (Editores) – L. Nicolás Guigou – Gonzalo Diáz Croetto – Ricardo A. Fagoaga Hernández – Annel Mejías Guiza – Antonio Motta – Eduardo Restrepo – Lía Ferrero
Editoral: Asociación Latinoamericana de Antropología
ResumenEste libro es el producto de un encuentro y varios diálogos que se sucedieron entre diferentes antropólogos, antropólogas y antropologías diversas. En mayo de 2018 en la ciudad de Montevideo, Uruguay, coincidieron cinco antropólogos y tres antropólogas integrantes de la Asociación Latinoamericana de Antropología (ALA). Fueron días de intercambios fructíferos en las conferencias y mesas redondas que se realizaron. Las actividades desarrolladas por la ALA, ya sea a partir de sus congresos, como de los encuentros que se realizan o de las políticas editoriales que lleva adelante, apuntan a poner en diálogo la antropología latinoamericana, buscando habilitar otros recorridos posibles dentro de las discusiones y problemáticas -tanto presentes como pasadas- que surgen en espacios locales y que no siempre encuentran la posibilidad de circular en los diferentes contextos que componen esta región del mundo. La ALA es una asociación de asociaciones, pero es ante todo un espacio para la reflexión teórica sobre el quehacer antropológico que procura describir, caracterizar y debatir los temas y problemas principales desarrollados y centrados en las formas de reflexión y comprensión antropológicas en América Latina y el Caribe; su repercusión en nuestros contextos, las distintas corrientes y el debate epistemológico surgido en la disciplina. Buscamos que la ALA sea un espacio de convergencia de distintos saberes, experiencias, reflexiones, debates y hallazgos, fruto del trabajo académico, investigativo y de intervención en los diferentes contextos, así como el vínculo entre las comunidades de antropólogos/as, investigadores/as y estudiosos/as vinculados/as a las antropologías en América Latina y el Caribe.

Disque-Denúncia: a arma do cidadão

Autoria: Luciane Patricio
Editoral: Autografia
ResumenFruto de dissertação de mestrado em Antropologia defendida pela autora, o objetivo deste trabalho é analisar os processos de construção da verdade a partir das experiências da Central Disque-Denúncia do Rio de Janeiro. Criada para ajudar as polícias no esclarecimento de crimes, através do recebimento de ligações anônimas da população, este instrumento tem sido caracterizado por receber as mais variadas demandas que, apesar de não serem criminais, guardam relação direta com os sentimentos de temor, insegurança e medo da população carioca.
O trabalho parte da descrição do histórico e do contexto social e político da criação da Central e perpassa sua estrutura, fluxo, modus operandi e analisa as implicações do seu sistema classificatório. Posteriormente serão analisados os processos de consolidação e legitimação deste instrumento como narrativa criminal, seja através das relações estabelecidas com a Polícia, órgão responsável por investigar as informações registradas pelo Disque-Denúncia, seja a partir da observação e análise de sua relação com a Mídia, ator que lhe empresta credibilidade, capilaridade e publicidade.

Dogmas e Doutrinas: verdades consagradas e interpretações sobre o Tribunal do Júri

Autoria: Izabel Nuñez
Editoral: Autografia
ResumenO livro, uma etnografia de textos (Geertz, 2006) apresenta os sentidos e os significados presentes nos livros de «»doutrina jurídica»» sobre o Tribunal do Júri. Esses materiais, escritos por “juristas” – todos homens e vinculados ao Poder do Estado – demonstram não só as representações sobre o instituto e seu funcionamento ideal, mas também as diferentes modificações que o modelo inglês de Trial by Jury sofreu, para ser introduzido e vir a funcionar na sociedade brasileira e em seu sistema de justiça, ambos hierarquizados e excludentes.

Egresar de humanidades. Un estudio sobre las trayectorias de egresados de Facultad de Humanidades y Ciencias de la Educación 1996-201

Autoria: Lucía Abbadie Gago; Bianca Vienni Baptista y Pablo Gatti Ballestero
Editoral: UdelaR – FHCE
ResumenEste libro surge como resultado de la investigación llevada a cabo en el proyecto “Trayectorias de Egresados de FHCE 1996-2010”, financiada por el programa “Proyectos de Investigación para la Mejora de la Calidad de la Enseñanza Universitaria” (PIMCEU), de la Comisión Sectorial de Investigación Científica (CSIC) y la Comisión Sectorial de Educación (CSE). El libro condensa el trabajo llevado adelante por el Programa Seguimiento de Egresados de la Unidad de Egresados de la Facultad de Humanidades y Ciencias de la Educación (FHCE) y busca adentrarse en las trayectorias de los egresados del período 1996-2010. En su realización, partimos del supuesto de que los procesos de transformación que viven las universidades, y servicios universitarios dentro de estas, se expresan de manera explícita en una serie de tensiones entre las concepciones educativas que se adoptan. En este sentido se ponen en juego posiciones que demandan una mayor funcionalidad de la educación frente al aparato productivo, y otras que apuestan al mayor compromiso de la institución en términos de democracia, interculturalidad y equidad socioeconómica. Entre una visión pragmática y totalizante de los saberes y otra que promueve el valor intrínseco del conocimiento y su avance. Tomado desde cualquiera de estas perspectivas en tensión, el conocimiento permanente de sus egresados se vislumbra como un área indispensable de abordaje, que debe ser desarrollado para poder reflexionar en torno a las prácticas institucionales. Mediante la aplicación combinada de técnicas cuantitativas y cualitativas y su posterior análisis, se buscó relevar las características de los egresados del período, las problemáticas, así como también las capacidades y fortalezas identificadas por ellos a partir de sus historias personales, académicas y laborales.

 Embarcadiços do encantamento: trabalho sinônimo de arte, estética e liberdade na pesca marítima

Autoria: RAMALHO, Cristiano Wellington Noberto
Editoral: Campinas-SP: Ceres-Unicamp; São Cristóvão-SE: Editora da UFS
ResumenPartindo das representações, sentimentos e práticas dos pescadores artesanais da Praia de Suape, Cabo de Santo Agostinho, litoral sul de Pernambuco, o livro busca compreender o que leva um grupo de pescadores de alto-mar a definir seu trabalho enquanto sinônimo de arte, beleza e liberdade. A pesquisa histórica (relatos de viajantes, por exemplo) e etnográfica (entrevistas com 13 pescadores e observação direta do dia a dia desses embarcadiços) foram os fundamentos dos procedimentos metodológicos. No geral, a arte e o belo são aspectos constitutivos e constituídos do trabalho pesqueiro desenvolvido artesanalmente, assumindo valores de mundo, mediações e sendo objetivações do existir marítimo desses pescadores, cujo fazer também passa por uma singular educação corporal, do sentir dos sentidos. O belo e a arte, além de forjarem o sentir humano, mostram-se inseparáveis do trabalho marítimo tido, segundo os pescadores, como liberto.

ITINERARIOS BALLENEROS. De la caza tradicional a la caza moderna de ballenas (… o de isla Santa María a caleta Chome, Chile)

Autoria: Daniel Quiroz & Gastón Carreño
Editoral: Subdireccion de Investigacion. Servicio Nacional del Patrimonio
ResumenEste libro indaga en la cacería de ballenas desarrollada en el centro sur de Chile. En términos de estructura, el texto está dividido en dos partes, cada una con dos capítulos, lo que tiene como objeto generar una narración cronológica y ordenada de los eventos pero sin excluir la posibilidad de avanzar y/o retroceder en el relato. La primera parte se refiere a las operaciones balleneras desarrolladas en la isla Santa María entre 1790 y 1950 y en la segunda estudiamos las realizadas en caleta de Chome, en la península de Hualpén entre 1950 y 1983.
La obra se construye sobre la convergencia temporal que se produce entre dos temas básicos: la caza comercial de ballenas en la isla Santa María y las operaciones balleneras de la Familia Macaya. Si elegimos hablar de “la caza de ballenas en la isla Santa María desarrollada por la familia Macaya”, nos enmarcamos en un período de tiempo muy breve, de apenas de unos treinta años o menos (1920-1950), y corremos el peligro de perder de vista el contexto en el que este proceso se produce y sus resultados finales. En realidad, nos interesa tanto la caza de ballenas en la isla Santa María como las operaciones balleneras de la familia Macaya, tanto aquellas desarrolladas en la isla como en Chome, así la cobertura temporal de nuestros estudios se amplía de manera significativa, abarcando casi unos doscientos años (1800-1983), el tiempo que duró la caza de ballenas en el país. Este texto relata los itinerarios balleneros, el paso de la caza tradicional a la caza moderna de ballenas, de la isla Santa María a caleta Chome.

ITINERARIOS BALLENEROS. De la caza tradicional a la caza moderna de ballenas (… o de isla Santa María a caleta Chome, Chile)

Autoria: Daniel Quiroz & Gastón Carreño
Editoral: Subdireccion de Investigacion. Servicio Nacional del Patrimonio
ResumenEste libro indaga en la cacería de ballenas desarrollada en el centro sur de Chile. En términos de estructura, el texto está dividido en dos partes, cada una con dos capítulos, lo que tiene como objeto generar una narración cronológica y ordenada de los eventos pero sin excluir la posibilidad de avanzar y/o retroceder en el relato. La primera parte se refiere a las operaciones balleneras desarrolladas en la isla Santa María entre 1790 y 1950 y en la segunda estudiamos las realizadas en caleta de Chome, en la península de Hualpén entre 1950 y 1983.
La obra se construye sobre la convergencia temporal que se produce entre dos temas básicos: la caza comercial de ballenas en la isla Santa María y las operaciones balleneras de la Familia Macaya. Si elegimos hablar de “la caza de ballenas en la isla Santa María desarrollada por la familia Macaya”, nos enmarcamos en un período de tiempo muy breve, de apenas de unos treinta años o menos (1920-1950), y corremos el peligro de perder de vista el contexto en el que este proceso se produce y sus resultados finales. En realidad, nos interesa tanto la caza de ballenas en la isla Santa María como las operaciones balleneras de la familia Macaya, tanto aquellas desarrolladas en la isla como en Chome, así la cobertura temporal de nuestros estudios se amplía de manera significativa, abarcando casi unos doscientos años (1800-1983), el tiempo que duró la caza de ballenas en el país. Este texto relata los itinerarios balleneros, el paso de la caza tradicional a la caza moderna de ballenas, de la isla Santa María a caleta Chome.

Linhas de investigação: uma etnografia das técnicas e moralidades numa Divisão de Homicídios da Região Metropolitana do Rio de Janeiro

Autoria: Flavia Medeiros
Editoral: Autografia 
ResumenO objetivo deste livro é descrever e compreender como policias civis constroem “homicídios” ao longo de relações que envolvem o fluxo entre pessoas e coisas, em “linhas de investigação”. Ao explicitar traços e fios que se encontram, se cruzam e se misturam, compondo e rompendo percursos, Flavia Medeiros descreve como se constitui uma malha pela qual são traçadas e tecidas linhas diversas, preenchidas e vazadas pelas técnicas e moralidades dos policiais. Linhas de Investigação é uma etnografia que demonstra como os processos de investigação de homicídios estão orientados por uma tecnologia de governo sobre as mortes que reproduz um documento público: o “inquérito policial” de um “homicídio”. Investidos de poderes “de polícia” e “da polícia”, os agentes policiais exercem seu conhecimento prático e político e pelas técnicas e moralidades que compõe o saber específico dos policiais, utilizam-se de ferramentas e valores morais para elaborar procedimentos que definem, pelo cartório, a verdade policial sobre mortos e mortes.

Longe da crise do ensino médio: uma experiência exitosa na escola pública Relatos de alunos e professores da Escola de Aplicação da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo

Autoria: Mariana Beatriz Mataluna Botelho
Editoral: Appris Editora, Curitiba
ResumenA obra dá voz aos alunos, professores e gestores sobre a vivência bem-sucedida no contexto do ensino médio da Escola de Aplicação da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. O recorte analítico abrange os anos de 2014 a 2016, período crucial da recente história brasileira, no qual os graves problemas estruturais do nosso sistema educacional explodiram em protestos que culminaram, inclusive, em ocupações de instituições públicas de ensino secundário por parte dos estudantes.
Partindo de um ligeiro retrospecto histórico do ensino médio no Brasil e incluindo a análise das transformações atuais implantadas na área, o objetivo da obra é lançar um olhar auspicioso, indo na contramão do pessimismo reinante sobre experiências educativas de sucesso no âmbito da gestão pública. Especificamente, o livro focaliza as avaliações que os atores realizam do cotidiano escolar, seus aspectos valorados e críticos, além das demandas e vivências mais importantes no processo educacional.

MAPA DE PERCEPÇÃO DE RISCOS: Análise multimétodo de territorialidades afetadas pelo domínio armado

Autoria: Ana Paula Mendes de Miranda, Jacqueline de Oliveira Muniz, Roberta de Mello Correa (Org.)
Editoral: Autografia
ResumenO presente livro apresenta a análise de dados construídos ao longo do projeto “Desenvolvimento de metodologia ‘Mapa de Percepção de Riscos’ para a análise da variável socioeconômica violência no diagnóstico de perdas não técnicas de energia nos municípios de São Gonçalo e Duque de Caxias (RJ)”, coordenada pelos professores doutores Ana Paula Mendes de Miranda, Jacqueline de Oliveira Muniz e Roberto Kant de Lima. Seu objetivo foi a elaboração de uma metodologia de pesquisa que identifique as situações sociais relacionadas à insegurança e à violência, que dificultam o trabalho regular de medição de energia, para identificar as áreas mais críticas em perdas não técnicas, que possa ser replicável a qualquer distribuidora de energia.

Migração e Exílio

Autoria: Bela Feldman-Bianco; Liliana Sanjurjo; Desirée Azevedo; Douglas Mansur da Silva (Organizadores)
Editoral: Edufscar
ResumenA coletânea oferece um panorama das novas perspectivas antropológicas, temas e debates sobre deslocamentos transnacionais na história e na atualidade. Seja focalizando migrantes do Brasil ou aqueles radicados no país, esta coleção de artigos expõe as relações entre migrações transnacionais, nação e nacionalidade e a contínua preocupação dos Estados-Nação em classificar e selecionar migrantes desejáveis e indesejáveis. Em seu conjunto, trazem à tona renovado interesse nos significados da imigração e do exílio na história brasileira, assim como em questões laborais e na construção da imigração enquanto crime no capitalismo neoliberal.

Movidas Movilizaciones y Movimientos – Cultura Política y Políticas de las Culturas juveniles en el Chile de hoy

Autoria: Oscar Aguilera Ruiz
Editoral: Editorial RIL
ResumenEl propósito del texto que se despliega a continuación es comprender las modalidades, históricamente constituidas, de accionar políticamente por parte de los jóvenes. Aunque da cuenta del proceso de constitución de movimientos juveniles en Chile en el periodo 2000-2008, su alcance llega hasta nuestros días y trasciende las fronteras nacionales para dialogar con procesos instituyentes de actoría juvenil en otras naciones, en otros contextos. No se trata de un efecto no deseado: al contrario, es el resultado de un análisis que si bien se encuentra anclado a la experiencia chilena no invisibiliza las dimensiones globales (políticas, económicas, culturales) involucradas en la estructuración social y en la construcción de subjetividad que definen a la contemporaneidad.

 Os limites da Reforma Agrária e as fronteiras religiosas: os dilemas dos remanescentes de quilombo do Imbé – RJ

Autoria: Yolanda Gaffrée Ribeiro
Editoral: Autografia
ResumenA pesquisa que deu origem a este livro é fruto do trabalho de campo realizado entre os anos de 2007 e 2011 e consistiu em uma abordagem etnográfica sobre a população do Imbé – município de Campos- RJ. A autora, mestre em Sociologia Política (PPGSP/UENF) e doutora em Antropologia (PPGA/UFF), apresenta uma discussão sobre a questão agrária no Brasil e sua relevância aos processos de construção de identidades. Focaliza as abordagens teóricas e empíricas da relação entre a identidade como Assentados da Reforma Agrária e a identidade de Remanescentes de Quilombo. Como um dos eixos centrais de sua pesquisa problematiza as políticas fundiárias e o reconhecimento de identidades étnicas. Outro aspecto fundamental do livro é a opção teórica e metodológica dada à sua interpretação sobre controvérsias, que emergem vinculadas aos processos de reconhecimento de identidades, considerando aspectos de institucionalização de grupos, a construção de vínculos religiosos e a memória histórica local.

Pesca Artesanal no Norte Fluminense: estudos de caso sobre meio ambiente, conflito e resistência de um modo de vida

Autoria: José Colaço (ORG)
Editoral: Autografia
ResumenOs trabalhos reunidos nesta coletânea são frutos de pesquisas empíricas desenvolvidas no âmbito do Núcleo de Estudos Antropológicos do Norte Fluminense Luiz de Castro Faria (Neanf/InEAC/UFF). Neste sentido, os estudos tem evidenciado os processos sociais que se dão na porção costeira da região norte-fluminense e que envolvem direta ou indiretamente as chamadas “populações tradicionais”, sob seus mais diversos aspectos, ou seja, sua interface com fenômenos de metropolização, transformações ecossistêmicas, regulamentações oficiais que afetam a reprodução de seu modo de vida associado, em grande parte, ao extrativismo, à economia informal e aos conhecimentos naturais adquiridos a partir de anos de dedicação aos seus ofícios. Por estes motivos, a pesca artesanal, lacustre ou “beira de praia”, tem figurado como a atividade social que mais tem chamado atenção dos pesquisadores do Núcleo.

Políticas da cultura: trânsitos, encontros e militância na construção de uma política nacional

Autoria: Lorena Avellar de Muniagurria
Editoral: Humanitas; Fapesp
ResumenNos governos Lula e Dilma, durante a construção de uma política nacional de cultura, proliferaram conselhos, colegiados, conferências e outros espaços participativos na área cultural. Em circulação sem precedentes, militantes e fazedores de cultura viajaram para participar de diversas reuniões com o governo. Com eles, viajaram também práticas (como organizar reuniões, assembleias, eleições ou editais públicos), ideias (sobre cidadania, cultura, Estado ou política) e artefatos (atas, organogramas, livros ou documentos). Políticas da cultura acompanha o ir e vir de representantes e descreve a reconfiguração das redes de militância, bem como a consolidação, naquele momento, de um entendimento de política pública de cultura. A etnografia revela a diversidade de modos de fazer cultura e política que configuraram essa experiência de democracia participativa e demonstra como, em meio a tantos fluxos (na verdade, graças a eles), foram estabilizados sentidos que terminavam por instituir o que é Estado, sociedade civil e cultura brasileira.

Sangue, Identidade e Verdade: memórias sobre o passado ditatorial na Argentina

Autoria: Liliana Sanjurjo
Editoral: Edufscar
ResumenO livro analisa as disputas que envolvem a afirmação de uma memória pública sobre o passado ditatorial no espaço nacional argentino. Baseando-se em etnografia sobre o campo de ativismo dos familiares de desaparecidos da ditadura militar argentina, a obra examina como, ancorados nas relações de parentesco com as vítimas da repressão, esses familiares atribuem sentido às suas experiências e identidades, ao passo que encontram legitimidade social para suas demandas e ações políticas. De uma perspectiva processual da cultura, o trabalho explora como noções sobre política, parentesco, sangue, identidade e verdade atravessam os embates pelas memórias da ditadura na Argentina.

Sonhar, Curar, Lutar. Colonialidade, xamanismo e cosmopolítica Kaingang no Rio Grande do Sul

Autoria: Clémentine Maréchal
Editoral: Prismas/Appris
ResumenNas últimas décadas, os avances do agronegócio no sul do Brasil provocaram um, cada vez mais, difícil acesso à terra para os coletivos indígenas que desenvolvem uma relação diferenciada com seu território e os seres que o povoam. A colonialidade, matriz de poder e base da racionalidade moderna, atravessa as relações entre o Estado, o capital e os mundos indígenas e se reproduz nas relações que os coletivos indígenas desenvolvem com outros e entre si. Os processos coloniais históricos e contemporâneos modificaram o tecido social e as subjetividades indígenas que, diante destes processos, se empenham em reconstruir seus caminhos, transformando e reelaborando cosmologias e mitologias protagonizando seus processos de resistência. Este livro busca apreender o xamanismo como uma força política imprescindível à construção de uma luta pela terra potente e oferece um horizonte decolonial possível.

O véu do congá: sobre três aspectos do conhecimento umbandista

Autoria: Lucas Gonçalves Brito
Editoral: Gramma
Resumen:O estudo tem como objetivo contribuir para a construção de ferramentas analíticas que possibilitem a compreensão do movimento umbandista através de uma perspectiva etnográfica, antropológica e que considere a experiência vivida como fator preponderante no horizonte da teoria. O texto, metodologicamente, conjuga três aspectos do conhecimento umbandista tal como se apresenta na umbanda de Pai Joaquim, a saber, a cosmovisão; o ritual; e a experiência. A conclusão é de que o conceito ‘nativo’ de Aumbandan (conhecimento primordial que articula magia, ciência, religião, filosofia e arte) trouxe implicações teóricas para o estudo da umbanda de Pai Joaquim, principalmente a séria necessidade de considerá-la uma epistemologia. A umbanda de Pai Joaquim aparece como exemplo empírico de certo questionamento teórico contemporâneo às abordagens metodológicas paradigmáticas da Umbanda.

Uma história do torcer no presente: elitização, racismo e heterossexismo no currículo de masculinidade dos torcedores de futebol 

Autoria: Gustavo Andrada Bandeira
Editoral: Appris Editora
Resumen: Este livro se origina de minha tese de doutoramento. Na tese pretendi discutir como o processo de elitização dos estádios de futebol, o chamado “caso Aranha” e certo retorno da Coligay atravessaram o currículo de masculinidade dos torcedores do Grêmio que frequentam estádio.
O processo de elitização acaba produzindo certa dicotomia entre o torcedor, representado como autêntico e popular, e o consumidor que seria alguém estranho ao estádio. Na Arena é possível visualizar uma relação em tensionamento entre o torcedor e a torcida. Ora as ações do torcedor são narradas a partir da pertença ao coletivo, ora o sujeito pode ser individualizado. Ainda é muito cedo para saber o que acontecerá com esse currículo de masculinidade dos torcedores de estádio a partir da desnaturalização de algumas práticas. Agora, mais do que antes, há um jogo a ser jogado sobre as construções das masculinidades torcedoras nos estádios de futebol.

Compartilhe:
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support